Segundo o Papa, o Evangelho é um livro aberto para “ler e reler” com “gestos concretos”.

Papa Francisco abençoa criança durate celebração do Jubileu na Praça São Pedro (Foto: Tony Gentile/Reuters)

Papa Francisco abençoa criança durate celebração do Jubileu na Praça São Pedro (Foto: Tony Gentile/Reuters)

O Papa Francisco afirmou neste domingo, 3, Festa da Misericórdia, que o Evangelho é o livro da Misericórdia de Deus, um livro aberto onde podemos escrever com gestos concretos de amor e de misericórdia.

O Santo Padre falou da humanidade ferida que traz consigo as cicatrizes e a dor da incerteza. Recordou que “cada enfermidade pode encontrar na Misericórdia de Deus um socorro eficaz”. A ajuda da Misericórdia de Deus está no Evangelho, disse o Papa, um livro aberto para “ler e reler” com “gestos concretos”.

“Nem tudo foi escrito, o Evangelho da misericórdia permanece um livro aberto, onde continuar a escrever os sinais dos discípulos de Cristo, gestos concretos de amor, que são o testemunho melhor da misericórdia. Somos todos chamados a tornarmo-nos escritores vivos do Evangelho”.

Os gestos concretos de que fala Francisco devem ser “simples” e até mesmo “invisíveis” – como observou – para levarem a ternura e a consolação de Deus.

O Santo Padre recordou ainda que de um lado existe a atitude dos discípulos no dia de Páscoa que têm medo e “fecham as portas de casa”. Por outro lado há a missão de Jesus que os “envia no mundo a levar o anúncio do perdão”.

“Mas o caminho é só: um sair de nós mesmos para testemunhar a força restauradora do amor que nos conquistou”, declarou Francisco.

“É esta a paz que Cristo traz no dia de Páscoa, a paz que vem do coração do Ressuscitado, a paz que venceu o pecado, a morte e o medo”, concluiu.

Fonte: Canção Nova

 

best essay writing service essay writers