Os pecados da carne sempre estiveram conosco, desde a queda de Adão, mas nunca como agora se experimentou tamanho bombardeio de propaganda sexual e de tentações carnais.

Os jovens católicos hoje — e não apenas os jovens — estão experimentando um bombardeio sem precedentes de propaganda sexual e tentações carnais. Os pecados da carne sempre estiveram conosco desde a queda de Adão, mas nunca antes houve uma tal multidão e disponibilidade de imagens impuras e tantas incitações para ceder ao pecado, sem atenção à saúde espiritual do homem ou até mesmo à sua saúde física e psicológica.

Se C. S. Lewis acertou em dizer que “a castidade é a menos popular das virtudes cristãs”, por outro lado também é possível dizer que “a impureza é o mais popular dos vícios do mundo”. Nossa situação moderna foi descrita com bastante antecedência por Nossa Senhora do Bom Sucesso, que apareceu à Venerável Madre Mariana de Jesus Torres, em Quito, Equador, de 1594 a 1634, e falou-lhe com grandes detalhes de uma “catástrofe espiritual” que ocorreria na Igreja “um pouco depois de meados do século XX”. Entre as muitas profecias havia esta:

O terceiro motivo pelo qual se apagou a lamparina é porque nesses tempos estará a atmosfera saturada do espírito de impureza, que, à maneira de um mar imundo, correrá pelas ruas, praças e logradouros públicos com uma liberdade assombrosa. Quase não haverá almas virgens no mundo.

De modo similar, Nossa Senhora apareceu a Santa Jacinta de Fátima diversas vezes, entre dezembro de 1919 e fevereiro de 1920. Uma das coisas ditas por ela deve fazer-nos pensar: “Vão mais almas para o inferno por causa dos pecados da carne do que por qualquer outra razão”. E ainda: “Hão de vir umas modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”.

Em seu livro The Message of Our Lady of Fatima, Dom Augustine Marie, OSB, comenta sobre essas palavras:

Vão mais almas para o inferno por causa dos pecados da carne do que por qualquer outra razão.” A Irmã Lúcia (2005) , última vidente de Fátima, diz que isso se refere primeiramente aos pecados contra a castidade, também chamados de pecados de impureza. Essa afirmação não é porque os pecados contra a castidade são os mais graves, mas sim porque eles são os mais comuns e, nas palavras da Irmã Lúcia, “por causa da consciência”, já que os pecados de impureza tendem a ser menos penitenciados do que os outros. Por quê?

Primeiro, porque o sentimento da injustiça cometida, que é o primeiro estímulo para que uma pessoa se arrependa de seus pecados, não é sentido fortemente quando se praticam esses pecados, com exceção do adultério.

Segundo, porque há um maior sentimento de vergonha quando se cometem certos atos impuros e, por consequência, há maior dificuldade em confessá-los no sacramento da Confissão, ou até mesmo em se arrepender deles de coração.

Terceiro, porque a atividade sexual de todos os tipos é apresentada por nossa cultura popular pós-cristã (ou até anticristã) como algo bom e natural, ao mesmo tempo que chegam a ensinar que a abstinência sexual faz mal à saúde.

Como explicado, então, ainda que a impureza, a imodéstia e vícios correlatos de intemperança não sejam em si mesmos os piores dos pecados, eles estão sem dúvida entre os mais comuns, especialmente em certas faixas etárias, e são ainda mortais para a alma e corrosivos para a sociedade. Que uma pessoa impenitente seja condenada ao inferno por homicídio ou fornicação, por roubo ou masturbação, seja como for ela acabará no inferno, um lugar de tormento e escuridão eternos; e ainda que a Divina Comédia de Dante esteja correta em retratar o inferno com círculos de punição mais ou menos severa, a depender dos graus de malícia com que foram cometidos os pecados, todos os condenados experimentam a pena da perda de Deus e do fogo sensível por toda a eternidade. Eis uma coisa da qual precisamos querer nos livrar a todo custo, por meio de um autocontrole honesto, de arrependimento caso tenhamos caído, de uma confiança humilde e inabalável na misericórdia de Deus e, finalmente, de um recurso contínuo à Confissão e à Comunhão.

“A impureza é o mais popular dos vícios do mundo.”

In quo corrigit adolescentior viam suam? In custodiendo sermones tuos (Sl 118, 9). Neste versículo, que na Liturgia das Horas se traduz por: “Como um jovem poderá ter vida pura?”, o rei Davi — que teve, ele mesmo, alguns problemas com os pecados da carne — faz uma pergunta tão velha quanto andar pra trás. A nova resposta que o cristianismo dá é o próprio Cristo. Não seremos capazes de permanecer puros ou castos sem Jesus, e não há um substituto secular adequado: nenhum programa educacional, não importa o quão bem tenha sido desenhado, pode tomar o lugar de Cristo e fazer o seu trabalho.

Nosso Senhor traz-nos, de fato, incontáveis dons, mas dois são preciosos de modo especial: o conhecimento da Verdade, por meio da qual devemos viver, e a Santa Eucaristia, que nos une ao próprio Senhor que nos purifica e nos salva. Nós precisamos conhecer o caminho, e precisamos de força para segui-lo. Como é trágico ver as pessoas tentando viver sem nenhum sentido do que seja intrinsecamente certo e errado, verdadeiro e falso! Sem um mapa e uma bússola como essa, facilmente nos perdemos na selva e nos tornamos presa de feras selvagens. Mas não menos trágico é ver aqueles que, conscientes do que seja certo e errado, verdadeiro e falso, ainda vacilam e caem por não terem vida dentro de si para viver retamente. “Quem se une ao Senhor torna-se com ele um só espírito” (1Cor 6, 17).

São Cirilo de Jerusalém, Padre e Doutor da Igreja, exclama em uma de suas homilias:

Se te sentes tentado pela intemperança, alimenta-te com o Corpo e o Sangue de Cristo, que na vida terrena praticou com excelência a sobriedade, e tornar-te-ás temperante. […] Se tu te sentes arder pela febre da impureza, aproxima-te do banquete dos anjos, e a carne imaculada de Cristo te fará puro e casto.

Comentando sobre essa passagem em seu maravilhoso livro Jesus, nosso amor eucarístico, o Pe. Stefano Manelli diz:

Ao procurarem saber como fez São Carlos Borromeu para se conservar puro e justo em meio a seus pares jovens, frívolos e entregues à dissipação, as pessoas descobriam que o seu segredo era a Comunhão frequente. […] E São Filipe Néri, conhecedor profundo dos jovens, dizia: “A devoção ao Santíssimo Sacramento e a devoção à Virgem Maria são, não o melhor, mas o único meio para conservar a pureza. Nada a não ser a Comunhão pode conservar puro um coração aos vinte anos de idade… Não pode haver castidade sem Eucaristia.

A Eucaristia é o próprio Cristo — verdadeiro Deus e verdadeiro homem, o Deus que nos criou e que nos santifica, o homem que conhece nossas fraquezas e que as cura com sua carne. É Ele quem nos assegura: “O que é impossível aos homens, é possível a Deus” (Lc 18, 27). Aproximemo-nos, pois, cada vez mais dEle, com temor e com fé, e deixemos que a força de sua presença opere milagres em nós.

Fonte: padrepauloricardo.org

best essay writing service essay writers