Abusos litúrgicos: a arruaça no templo de Deus

Estão falsificando a liturgia católica. Nesta matéria, saiba por que acontecem abusos litúrgicos e quais são as suas consequências trágicas para a fé das pessoas.

Abusos durante a celebração da Santa Missa parecem ter-se tornado a regra em muitos lugares. Em tempos litúrgicos mais solenes, então, essas arbitrariedades se multiplicam indefinidamente e, com a internet, chegam cada vez mais rápido ao conhecimento das pessoas, agravando o escândalo que provocam.

Antes de perguntar o porquê de tanta arruaça dentro do templo de Deus, é preciso considerar a gravidade desses abusos. Infelizmente, de forma geral, prevalece a mentalidade de que os verdadeiros problemas estão fora do templo, os assuntos mais prementes são os sociais, e as questões relativas ao culto divino são muitas vezes tratadas como “formalismos” exagerados ou mesmo coisa de gente “farisaica”.

Teresa de Calcutá e João Paulo II, santos.

Seria o caso de perguntarmos, então, se personalidades recentes da história da Igreja — santos canonizados! — estariam erradas, por tratar sempre com tanto zelo e cuidado da santa Eucaristia.

Madre Teresa de Calcutá, por exemplo, que passava horas a fio diante do Santíssimo Sacramento, confidenciou certa vez a um padre que seria impossível ela manter suas obras de caridade sem esse contato íntimo com Jesus, todos os dias [1]. São João Paulo II, por sua vez, poucos anos antes de morrer, pediu expressamente a seus colaboradores que redigissem um documento para frear os abusos litúrgicos na Santa Missa: “A Eucaristia”, ele dizia, “é um dom demasiado grande para suportar ambiguidades e reduções.” [2]

O respeito à liturgia, portanto, não é uma questão supérflua, mas um problema de fé. Não é que Santa Teresa de Calcutá ou São João Paulo II fossem “carolas” alienados; eles simplesmente criam na presença real de Jesus na Eucaristia. Se, como diz a fé católica de sempre, sob o pão e o vinho consagrados durante a Missa estão verdadeiramente o Corpo, o Sangue, a Alma e a Divindade de Nosso Senhor, como tratar essa temática com um dar de ombros, como se fosse coisa marginal ou de pouca importância? O que é um abuso litúrgico, senão uma ofensa direta à majestade de Deus, presente neste sacramento?

Ainda a esse respeito, poucas palavras são tão contundentes quanto as de Santo Tomás de Aquino, citadas pelo documento Redemptionis Sacramentum:

Quando se comete um abuso na celebração da sagrada Liturgia, verdadeiramente se realiza uma falsificação da liturgia católica. Tem escrito Santo Tomás: “Incorre no vício de falsidade quem, da parte da Igreja, oferece o culto a Deus contrariamente à forma estabelecida pela autoridade divina da Igreja e seu costume” (S. Th., II-II, q. 93, a. 1). [3]

Foi essa, a propósito, a instrução publicada pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, a pedido de São João Paulo II. Nela é possível ler uma das principais causas, se não a principal, dos desrespeitos que se cometem na liturgia: “Os abusos se fundamentam com freqüência na ignorância”, pois quase sempre significam “uma rejeição daqueles elementos cujo significado mais profundo não se compreende e cuja antigüidade não se reconhece” [4].

Isso significa que, à parte os que agem deliberadamente para deformar a fé das pessoas — os quais (queremos acreditar que) são poucos —, a maior parte dos abusos deriva de má formação, desconhecimento. Daí a queixa de Deus aos seus sacerdotes, ainda no Antigo Testamento: “O meu povo se perde por falta de conhecimento” (Os 4, 6).

Se as pessoas soubessem, se fossem ensinadas a reconhecer o valor da Eucaristia, a dignidade da Santa Missa, a importância de receberem bem a Sagrada Comunhão… elas não fariam o que fazem; ou melhor, sequer sentiriam necessidade de tantas invencionices! Justamente por não saberem, elas “precisam” do teatro, do espetáculo, da farofada; justamente por não conhecerem, elas precisam dos rojões e das salvas de palmas. Por trás de tudo isso, de modo geral, não estão pessoas mal intencionadas, mas quase sempre é possível identificar pessoas mal catequizadas.

O pior de tudo é o círculo vicioso gerado pelos abusos litúrgicos. Eles não só provêm da ignorância e da descrença, como conduzem a essas mesmas coisas, obscurecendo “a reta fé e a doutrina católica acerca deste admirável sacramento”[5] e impedindo as pessoas de fazer uma verdadeira experiência com Jesus Cristo.

Em toda liturgia, deveríamos ser capazes de reconhecer o Senhor no partir do pão, como fizeram os discípulos de Emaús (cf. Lc 24, 13-35). Afinal de contas, é Ele o centro de toda celebração eucarística; é em comunhão com Ele que queremos entrar em toda Santa Missa! Mas talvez estejamos perdidos demais, preocupados com carros alegóricos e fogos de artifício… e, como consequência, também os fiéis ficam perdidos, sem referencial, aplaudindo não se sabe quem, por causa de não se sabe o quê, a fim de celebrar… alguma coisa qualquer.

Não há outro remédio para essa grave “falsificação da liturgia católica”, a não ser voltarmos ao ensino da fé, através tanto da catequese quanto de uma liturgia fielmente celebrada. Como ensinava o Papa São João Paulo II:

A liturgia nunca é propriedade privada de alguém, nem do celebrante, nem da comunidade onde são celebrados os santos mistérios. […] O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram de modo silencioso mas expressivo o seu amor à Igreja. […] A ninguém é permitido aviltar este mistério que está confiado às nossas mãos: é demasiado grande para que alguém possa permitir-se de tratá-lo a seu livre arbítrio, não respeitando o seu caráter sagrado nem a sua dimensão universal. [6]

Também nas palavras do atual prefeito da Congregação para o Culto Divino, o Cardeal Robert Sarah:

Quando Deus aparece, só o louvor deve fluir de nosso coração. Por isso, toda forma de exibição que passe a impressão de um espetáculo deve desaparecer. Por que mostrar a vaidade de uma ação profana ou de uma palavra mundana perante a infinita grandeza de Deus? [7]

Observem o triste espetáculo de algumas celebrações eucarísticas… Por que tanta frivolidade e mundanidade no momento do santo Sacrifício? Por que tanta profanação e superficialidade, dada a extraordinária graça sacerdotal que nos torna capazes de tornar o Corpo e o Sangue de Cristo substancialmente presentes pela invocação do Espírito? Por que alguns acham que são obrigados a improvisar ou inventar […]? Seriam as palavras de Cristo insuficientes, tornando necessário multiplicar-se palavras meramente humanas? Em um sacrifício tão único e essencial, que necessidade há de uma tal exibição de imaginação e criatividade subjetiva? [8]

Atendamos, pois, a um dos últimos desejos do coração de São João Paulo II e — por que não dizê-lo? — do Coração do próprio Cristo. Se há dois mil anos Ele, do alto da Cruz, pediu perdão para a ignorância de seus algozes, também hoje não é difícil imaginar que, diante dos inúmeros abusos e profanações que acontecem em nossas igrejas, Ele faça ecoar o mesmo pedido através dos séculos: “Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!” (Lc 23, 34)

Referências

  1. “Você acha que eu seria capaz de fazer caridade, se não pedisse a Jesus, todos os dias, que preenchesse o meu coração com o seu amor?” (tradução nossa). In: Robert Cardinal Sarah, The Power of Silence: Against the Dictatorship of Noise, San Francisco: Ignatius Press, 2017, p. 47.
  2. Papa São João Paulo II, Carta Encíclica Ecclesia de Eucharistia, 17 abr. 2003, n. 10.
  3. Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Instrução Redemptionis Sacramentum, 23 abr. 2004, n. 169.
  4. Ibid., n. 9.
  5. Papa São João Paulo II, Carta Encíclica Ecclesia de Eucharistia, 17 abr. 2003, n. 10.
  6. Ibid., n. 52.
  7. Robert Cardinal Sarah, The Power of Silence: Against the Dictatorship of Noise, San Francisco: Ignatius Press, 2017, p. 122.
  8. Ibid., p. 124.

Fonte: padrepauloricardo.org

Abusos litúrgicos: a arruaça no templo de Deus